Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Você está aqui: Página Inicial / Cirurgias / Cirurgia Anel de Ferrara

Cirurgia Anel de Ferrara

Um dos procedimentos realizados para a correção de ceratocone

O Anel de Ferrara (Anel, implante, AF) é um dispositivo médico implantável no estroma corneano, para a regularização da deformação na córnea - causada por patologias do tecido - e para a correção ou diminuição de erros refracionais associados. AF é feito de polimetilmetacrilato, um material comprovadamente inerte e biocompatível que é utilizado há décadas na fabricação de implantes intra-oculares.

O tipo de tratamento mais adequado ao ceratocone vai depender do grau de evolução da doença e do diagnóstico do oftalmologista.

Porém, este procedimento cirúrgico, aprovado pelo FDA (Food and Drugs Administration) é o implante de um disco de acrílico entre as camadas da córnea com a finalidade de aplaná-la e trazê-la à sua forma natural. Diferente dos transplantes, os esses anéis proporcionam correção imediata da baixa visual do paciente com ceratocone.

Benefícios da técnica

Rápido retorno às atividades cotidianas e uma visão mais natural em relação àquela fornecida pelo transplante de córnea. O Anel de Ferrara tem um design ideal para permanecer no olho, com baixo índice de extrusão (expulsão) deste anel da córnea. Mas, caso isso ocorra, os anéis podem ser retirados.

Indicação

Pacientes portadores de ceratocone intolerantes a lentes de contato;
Paciente portadores de ceratocone em evolução;
Síndrome de Hartstein;
Astigmatismo pós ceratoplastia penetrante;
Ectasias corneanas istrogênicas pós cirurgias refrativas (PRK, LASIK);
Astigmatismo irregular pós ceratotomia radial;
Degeneração marginal pelúcida.

As vantagens do procedimento

A incidência de complicações é muito baixa, em torno de 3%. Além disso, as complicações são geralmente tratáveis e reversíveis, conferindo boa segurança ao procedimento.                                                                                 

É realizada com anestesia tópica (colírios), em regime ambulatorial
Reversibilidade: o anel pode ser removido e a córnea retoma suas dimensões originais pré-implante
Reajustabilidade: o anel pode ser substituído ou reposicionado caso necessário para melhora do resultado obtido
Estabilidade: os resultados se mantêm ao longo do tempo
Previsibilidade: os resultados são reprodutíveis
Preserva a integridade do órgão, por tratar-se de uma técnica de adição, preservando a região nobre da córnea, que é o eixo visual.
Preserva a asfericidade positiva da córnea, que é uma característica óptica importante para minimizar aberrações do sistema e permitir uma melhor acuidade visual.

Veja também: